Últimas Análises e Comentários

Liberdade de Expressão na Dinamarca

por Judith Bergman  •  16 de Maio de 2019

  • O estarrecedor é que um órgão do estado ameaçou tirar uma filha adotiva de sua única família, não porque havia a menor suspeita de maus-tratos à criança, mas porque a mãe adotiva exercia a liberdade de expressão.

  • "Se as pessoas começarem a mudar suas declarações legais e democráticas porque alguém quer lhes fazer algum mal ou tentar assassiná-las, então a democracia já era. De modo que não estou errado, há uma ameaça contra a minha pessoa ... Nós não acreditamos que os agressores e assassinos devam decidir onde estão os limites da liberdade de expressão..." — Rasmus Paludan, presidente do partido dinamarquês anti-Islã Stram Kurs.

  • O princípio que está em jogo aqui é se a liberdade de expressão, independentemente do que ou quem insulta, pode ser garantida quando é confrontada com violência e vandalismo.

Jaleh Tavakoli é blogueira dinamarquesa/iraniana, ferrenha crítica ao Islã, autora do livro Public Secrets of Islam. O Departamento de Serviço Social da Dinamarca ameaçou retirar a filha adotiva da guarda de Tavakoli, não porque havia a menor suspeita de maus-tratos à criança, mas porque Tavakoli exercia a liberdade de expressão. (Imagem : captura de vídeo de Jaleh Tavakoli)

Nas últimas semanas na Dinamarca, o tema liberdade de expressão alcançou projeção nos noticiários.

Em março deste ano, Jaleh Tavakoli ferrenha crítica do Islã, blogueira dinamarquesa/iraniana, autora do livro Public Secrets of Islam, foi ameaçada pelo Departamento de Serviço Social (SocialtilsynØst) que perderia a guarda da filha adotiva por ter compartilhado um vídeo online do estupro e assassinato de duas jovens escandinavas perpetrado por terroristas do Estado Islâmico no Marrocos. Ela foi notificada por meio de uma carta da Defensoria Pública que ela e seu marido que haviam sido aprovados para se tornarem pais adotivos, ambos estavam criando a menina de 8 anos desde que era recém-nascida, e que o direito à adoção foi rescindido, sendo que a menina poderia ser tirada deles, visto que a autoridade competente deliberou que eles "não preenchiam as condições necessárias para a adoção". A notificação também salientava:

Continue lendo o artigo

Turquia: No Aniversário do Genocídio, os Armênios Ainda estão sob Ataque

por Uzay Bulut  •  12 de Maio de 2019

  • Estima-se que pereceram de um milhão a um milhão e meio de armênios.

  • O Instituto Turco de História (TTK), financiado pelo governo, anunciou recentemente que está prestes a publicar 25 volumes "refutando o envolvimento da Turquia" no genocídio.

  • "É óbvio que o reconhecimento e a condenação de genocídios são as ferramentas mais eficazes para a prevenção de novos genocídios" — Primeiro Ministro da Armênia Nikol Pashinyan, 13 de fevereiro de 2019, ArmenPress.com

Desde o Genocídio Armênio ocorrido entre 1915 e 1923 , as autoridades turcas insistem veementemente em negar que o genocídio tenha sequer ocorrido ou que os turcos o tenham cometido e punem os que se atrevem a afirmar o contrário. Foto: civis armênios, escoltados por soldados otomanos, marcham através de Harput, a caminho de uma prisão de Mezireh que fica nas redondezas (hoje Elazig), abril de 1915. (Imagem : Cruz Vermelha Americana/Wikimedia Commons)

O dia 24 de abril marcou o 104º aniversário do Genocídio Armênio perpetrado pela Turquia otomana. Foi naquele dia em 1915 que intelectuais armênios e líderes comunitários foram presos em Constantinopla e mais tarde assassinados. Estima-se que pereceram de um milhão a um milhão e meio de armênios.

Desde então, as autoridades turcas insistem veementemente em negar que o genocídio tenha sequer ocorrido ou que os turcos o tenham cometido e punem os que se atrevem a afirmar o contrário.

Continue lendo o artigo

Como a Liderança Palestina Incentiva o Terrorismo

por Bassam Tawil  •  11 de Maio de 2019

  • O pronunciamento de Abbas da Autoridade Nacional Palestina na reunião da Liga Árabe no Cairo demonstra que o bem-estar dos terroristas está acima de dar aos funcionários que trabalham duro a possibilidade de colocar o pão de cada dia na mesa de suas famílias. Essas recompensas encontram-se no cerne do incitamento palestino ao terrorismo que impulsiona o conflito israelense-palestino.

  • Caso haja alguma dúvida se alguém está punindo coletivamente os palestinos, a resposta é: o próprio Abbas. Ele está privando dezenas de milhares de famílias de receberem salários integrais, impedindo-os de comprarem alimentos para seus filhos e de pagarem suas contas, incluindo aluguel e mensalidades universitárias. Um servidor público palestino que manda seu filho para a universidade não recebe o salário integral. Um palestino cujo filho sai para assassinar um judeu tem direito ao salário integral e é respeitado pela liderança palestina.

  • Que recado Abbas está dando ao seu povo? Que aqueles que desejam comer devem apelar para o terrorismo. As famílias dos servidores públicos que agora não têm condições de pagar o aluguel e as contas do supermercado estão com inveja das famílias dos terroristas. Elas devem estar dizendo a si mesmas: "somos idiotas mesmo porque não mandamos nossos filhos esfaquearem um judeu!" Esta é a educação que os líderes palestinos dão ao seu povo desde 1965.

Em 23 de julho de 2018, em uma cerimonia em homenagem aos terroristas palestinos, o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas salientou: "não reduziremos nem reteremos os subsídios das famílias dos mártires, detentos e ex-detentos... Se tivéssemos um único centavo no bolso, nós o daríamos às famílias dos mártires e dos detentos." (Imagem: MEMRI)

O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, reafirmou recentemente seu compromisso de longa data de remunerar famílias de palestinos que forem presos ou mortos em ataques terroristas perpetrados contra israelenses. "Desde 1965 pagamos às famílias de presos e mártires", salientou Abbas a ministros de Relações Exteriores da Liga Árabe em uma reunião de emergência realizada no Cairo em 21 de abril.

A insistência de Abbas em recompensar com milhões de dólares as famílias de palestinos que assassinam ou tentam assassinar judeus está custando caro aos palestinos. Nos últimos dois meses, o governo de Abbas não conseguiu pagar os salários integrais aos seus 200 mil funcionários. O motivo? Israel começou a deduzir da arrecadação fiscal que recebe em nome dos palestinos o mesmo valor que o governo da ANP remunera mensalmente as famílias dos presos e dos "mártires".

Continue lendo o artigo

Aniquilamento da População e da Vida Cristã: Onde está a Indignação do Ocidente?
Enfrentando a Catástrofe com Indiferença

por Giulio Meotti  •  5 de Maio de 2019

  • Os extremistas islâmicos perceberam que o Ocidente não se mobilizou para impedi-los de subjugar os cristãos, como se, inconscientemente, houvesse uma estranha convergência entre nosso silêncio e o projeto de limpeza étnica do Estado Islâmico, destinado a dizimar os cristãos.

  • "A liberdade religiosa, valor central da civilização ocidental, está sendo destruída em enormes regiões do planeta. No entanto, o Ocidente, devido à falta de discernimento, nega a existência dessa guerra religiosa e se recusa a enxergar..." — Melanie Phillips, jornalista britânica, The Times, 17 de novembro de 2014.

  • O Príncipe William, Duque de Cambridge, acabara de visitar os sobreviventes muçulmanos do ataque às mesquitas em Christchurch, Nova Zelândia. Por que a família real britânica não é compelida pela mesma compaixão e aproveita o ensejo para dar uma paradinha no Sri Lanka, sua ex-colônia, para visitar os sobreviventes cristãos, antes de voltar para a Inglaterra?

  • O apelo das filhas de Asia Bibi pedindo ajuda para a mãe foram deixados para lá no Ocidente. O Reino Unido se recusou em oferecer asilo a esta família cristã paquistanesa.

O Sri Lanka do massacre jihadista não se resume somente a uma terrível corrente de mães aos prantos e pequenos caixões. Lamentavelmente, isso também nos diz muito sobre o estado desalentador em que se encontra o Ocidente. Foto: funeral de uma das vítimas do ataque ocorrido no Domingo de Páscoa de 21 de abril no Sri Lanka. (Foto: Carl Court/Getty Images)

"Onde está a solidariedade para com os cristãos do Sri Lanka?" perguntei ao conceituado intelectual muçulmano britânico Rakib Ehsan.

"As diferenças no tom e natureza nas condenações aos ataques terroristas em Christchurch e Sri Lanka são impressionantes. Após os ataques em Christchurch, não houve hesitação em adiantar o background religioso das vítimas e dirigir o calor humano e o carinho às comunidades muçulmanas. Os políticos não tiveram nenhum problema em classificar os eventos em Christchurch como terrorismo.

"Em contrapartida, as palavras 'terrorismo' e 'cristianismo', juntamente com os termos associados, até agora não caracterizaram em grande medida a reação aos ataques no Sri Lanka.

Continue lendo o artigo

Nigéria: Jihad contra os Cristãos

por Uzay Bulut  •  29 de Abril de 2019

  • A atual violência, que vem piorando desde o início de 2017, "é um tanto diferente, na medida em que se configura em uma série de ataques dirigidos contra comunidades cristãs cujo objetivo é expulsar os agricultores e tomar as terras para os pastores." — Nathan Johnson, International Christian Concern, Diretor Regional para a África.

  • "Os cristãos da Nigéria são tratados como cidadãos de segunda categoria nos doze estados do norte onde a Lei Islâmica (Sharia) rege. Eles são vitimizados das mais diferentes maneiras. Meninas cristãs são raptadas e forçadas a se casarem com muçulmanos. Pastores são sequestrados para pedir pagamento de resgate. Igrejas são profanadas ou totalmente destruídas." — Nathan Johnson.

  • "O governo nigeriano e a comunidade internacional... desde o início fizeram muito pouco para resolver a situação. Essa falta de participação não causa espanto: eles sequer reconhecem as raízes do problema, a saber: a intolerante ideologia da jihad. Como resultado, o número de cristãos mortos só aumenta e pelo andar da carruagem provavelmente continuará avançando exponencialmente, até que essa realidade não seja apenas reconhecida, mas abordada." — Raymond Ibrahim, escritor e especialista em Oriente Médio.

Cristãos estão sendo massacrados na Nigéria por jihadistas Fulani e Boko Haram e ao que parece ninguém está nem aí para eles. Foto: Abubakar Shekau líder do Boko Haram, de um vídeo propagandístico do Boko Haram de novembro de 2018.

Cristãos estão sendo massacrados na Nigéria por jihadistas Fulani e Boko Haram e ao que parece ninguém está nem aí para eles.

A mais excruciante perseguição destes cristãos indefesos, que somam a metade da população da Nigéria, vem ocorrendo principalmente no norte do país, de maioria muçulmana, governada pela Lei Islâmica (Sharia) e também nos estados conhecidos como "Cinturão do Meio", que perfazem uma zona de transição entre os estados do norte e do sul.

De acordo com a organização de direitos humanos International Christian Concern (ICC):

"Em março os militantes Fulani continuaram a desfechar violentos ataques em toda a região do Cinturão do Meio da Nigéria. Os brutais ataques perpetrados por esses militantes islâmicos linha dura, despertam medo ininterrupto nos cristãos que vivem no Cinturão do Meio à medida que o número de mortos aumenta... No mês passado (março de 2019), pelo menos 150 pessoas foram assassinadas."

Continue lendo o artigo

O Incêndio na Notre Dame e a Destruição da Europa Cristã

por Guy Millière  •  27 de Abril de 2019

  • Apenas uma hora após as chamas começarem a subir na Catedral de Notre Dame, quando não havia a menor possibilidade de explicar as causas do incêndio, as autoridades francesas se apressaram em adiantar que o incêndio ocorreu em consequência de um "acidente" e "incêndio doloso foi descartado." As declarações soaram como todas e quaisquer declarações oficiais feitas pelo governo francês após a ocorrência de ataques na França na última década.

  • O incêndio na Catedral de Notre Dame ocorre justamente quando ataques contra igrejas na França e na Europa estão se multiplicando. Mais de 800 igrejas foram atacadas na França só no ano de 2018.

  • As igrejas na França estão vazias. O número de padres está diminuindo e os padres que estão na ativa na França estão muito velhos ou vêm da África ou da América Latina. Agora a religião dominante na França é o Islã. Todos os anos igrejas são demolidas para dar lugar a estacionamentos ou shopping centers. Mesquitas estão sendo construídas em todos os lugares e estão lotadas.

O fogo que destruiu grande parte da Catedral de Notre Dame, no coração de Paris, é uma tragédia irreparável. Ainda que a catedral seja reconstruída, ela jamais será a mesma. (Foto: Veronique de Viguerie/Getty Images)

O fogo que destruiu grande parte da Catedral de Notre Dame, no coração de Paris, é uma tragédia irreparável. Ainda que a catedral seja reconstruída, ela jamais será a mesma. Vitrais e importantíssimas estruturas arquitetônicas foram seriamente danificadas e a moldura de carvalho totalmente destruída. A flecha da catedral era uma obra de arte sem igual. Ela foi desenhada pelo arquiteto Eugène Viollet-le-Duc que restaurou a catedral no século XIX, baseando seu trabalho em registros do século XII.

Continue lendo o artigo

Espanha: Será que o Termo 'Islamista' Configura Discurso de Incitamento ao Ódio?

por Soeren Kern  •  23 de Abril de 2019

  • "Os inimigos externos querem nos ensinar a governar nosso país.... Angela Merkel e seus militantes, George Soros e as máfias da imigração, acreditam que podem nos ensinar quem deve e quem não deve entrar em nosso país. Eles exigem que nossos barcos tragam a bordo os assim chamados náufragos à deriva no mar, os conduzam aos nossos portos e os cubram com uma chuva de dinheiro. O que eles acham que somos?" — Ortega Smith, Secretário-geral do Partido Vox, Espanha.

  • "Esses... dois grupos se destacam não pelo preconceito ("islamofobia" ou racismo), mas por serem os menos assimiláveis dos estrangeiros, uma série de problemas associados a eles, como não trabalhar e atividades criminosas, além do medo de que eles venham a impor seus estilos de vida na Europa. Outras apreensões lidam com as atitudes dos muçulmanos em relação aos não muçulmanos, como por exemplo a 'cristofobia' e a 'judeofobia', a violência jihadista e a insistência de que o Islã desfrute de um status privilegiado em relação às demais religiões" — Daniel Pipes, Historiador, "Partidos Civilizacionistas da Europa," Commentary, Novembro de 2018.

  • "E todos nós também sabemos da falta de liberdade, para não dizer perseguição direta, aturada por mulheres e cristãos em países islâmicos, enquanto aqui eles gozam da generosidade típica da liberdade, democracia e reciprocidade, obviamente negada por eles, tim-tim por tim-tim..." — Santiago Abascal, Presidente do partido Vox, "Cavalo de Troia," Libertad Digital, dezembro de 2014.

  • "A esquerda defende qualquer ofensa gratuita, mesmo a mais abominável contra os cristãos como 'liberdade de expressão'. Ao mesmo tempo, a mera crítica ao Islã é tachada de 'islamofobia'... Isso ainda é a Espanha ou estamos no Irã?" — Elentir, blogueiro, Contando Estrelas.

Vox, partido populista que vem atingindo novos patamares nos índices da preferência dos eleitores, se considera um projeto político socialmente conservador que visa defender os valores tradicionais da Espanha das ameaças impostas pela migração em massa, multiculturalismo e globalismo. A missão do Vox proclama que o partido se dedica à democracia constitucional, ao capitalismo de livre mercado e ao estado de direito. Foto: Santiago Abascal, Presidente do Vox, chega a um comício do partido em Granada, Espanha em 17 de abril de 2019. (Imagem: David Ramos/Getty Images)

Os promotores espanhóis abriram uma investigação criminal para determinar se o secretário-geral do Vox, cuja popularidade vem atingindo novos patamares nos índices da preferência dos eleitores, é culpado por proferir discursos de incitamento ao ódio e por emitir alertas sobre uma "invasão islamista".

O inquérito criminal, que se baseia em uma denúncia de um grupo ativista muçulmano, ao que tudo indica, tem o propósito de colocar uma mordaça nos debates críticos sobre o Islã que antecedem as eleições gerais em 28 de abril. De maneira geral, o caso representa uma ameaça potencialmente incomensurável ao exercício da liberdade de expressão na Espanha.

Procuradores em Valência, a terceira maior cidade da Espanha, salientaram que estavam investigando Javier Ortega Smith, o número 2 no ranking do Vox, por um suposto crime de ódio após receberem uma denúncia de um grupo muçulmano chamado "Muçulmanos Contra a Islamofobia" (Musulmanes Contra la Islamofobia).

Continue lendo o artigo

China Avança no Caribe

por Gordon G. Chang  •  21 de Abril de 2019

  • A cerca de 88 quilômetros a leste de Palm Beach, Flórida, na Grand Bahama Island, uma empresa sediada em Hong Kong está desembolsando cerca de US$3 bilhões em uma central de contêineres em águas profundas, o Freeport Container Port.

  • A preocupação é que o porto se torne outra armadilha em forma de dívida, como Hambantota, no Sri Lanka. Há especulações inquietantes que Hambantota acabará se tornando uma base naval da China. Será que o Pentágono terá que se confrontar com navios de guerra chineses em Freeport?

  • Os militares chineses já se encontram no Caribe e em Cuba, ao que tudo indica, com o propósito de coletar informações de transmissões da inteligência dos EUA. Washington esbanja dinheiro no Oriente Médio, mas os estrategistas políticos dos Estados Unidos também precisam se interessar, urgentemente, acerca de lugares críticos e carentes próximos de casa.

O presidente dos Estados Unidos Donald Trump se reuniu recentemente com os líderes do Caribe, sinalizando o esforço concentrado de Washington no sentido de se aproximar dos atores da região. Mas os programas americanos precisam de dinheiro para suportá-los, por serem inadequados para enfrentarem o desafio chinês no Caribe, onde o comércio e investimentos fizeram com que Pequim tivesse uma forte influência. Foto: Presidente Trump e Melania Trump juntamente com os líderes caribenhos em Mar-a-Lago em Palm Beach, Flórida em 22 de março de 2019. (Foto Oficial da Casa Branca por Tia Dufour)

Uma "Tempestade Vermelha Avança" a poucos quilômetros do litoral dos Estados Unidos. "Na realidade, todo o hemisfério está em chamas," ressaltou Lou Dobbs, âncora da Fox Business Network em seu programa de grande audiência transmitido em de 04 de abril. "China e Rússia estão nos confrontado em quase todos os cantos do hemisfério. Rússia e China na Venezuela, China em todo o hemisfério e em todo o Caribe".

Nos quatro cantos do Caribe a influência da China avança a passos largos. Comércio e investimentos fizeram de Pequim uma potência. As intenções chinesas não são unicamente comerciais e pelo andar da carruagem também não parecem ser lá muito auspiciosas.

Comecemos pela ilha New Providence, nas Bahamas. Em 2011 o Banco de Exportação e Importação da China realizou um empréstimo no valor de US$2,45 bilhões para a construção do resort Baha Mar, próximo à capital, Nassau. O projeto, que mostrou ser problemático desde o início, é o maior e mais caro do Caribe.

Continue lendo o artigo

Reino Unido: Muçulmanos Radicais são Bem-Vindos, Cristãos Perseguidos, Nem Pensar

por Raymond Ibrahim  •  20 de Abril de 2019

  • Ao rejeitar a motivação do pedido de asilo de um homem que se converteu do islamismo ao cristianismo e, pelo andar da carruagem forçar seu retorno ao Irã, o governo britânico está na prática condenando-o à morte.

  • "Dos 4.850 refugiados sírios acolhidos para reassentamento pelo Ministério do Interior em 2017, apenas 11 eram cristãos, representando somente 0,2% de todos os refugiados sírios que receberam sinal verde do Reino Unido." — Barnabas Fund.

  • Enquanto isso, o Ministério do Interior permitiu que o clérigo paquistanês Syed Muzaffar Shah Qadri, considerado tão radical a ponto de ser proibido de voltar à sua terra natal, Paquistão, proferisse palestras em mesquitas do Reino Unido.

  • "É inacreditável que os cristãos perseguidos, que vêm do berço do cristianismo, estivessem sendo informados que não havia lugar para eles na hospedaria, enquanto o Reino Unido dá boas-vindas a islamistas que perseguem cristãos..." Há um considerável problema sistêmico quando é dado aos líderes islamistas que defendem a perseguição aos cristãos luz verde, adiantando que suas solicitações de vistos do Reino Unido serão consideradas favoravelmente, enquanto vistos para curtas visitas pastorais ao Reino Unido são negadas a líderes cristãos, cujas igrejas estão se deparando com genocídio. Trata-se de uma questão urgente que os ministros do Ministério do Interior precisam compreender e corrigir." — Dr. Martin Parsons, Barnabas Fund.

Ao rejeitar a motivação do pedido de asilo de um homem que se converteu do islamismo ao cristianismo e, pelo andar da carruagem forçar seu retorno ao Irã, o governo britânico está na prática condenando-o à morte. (Imagem: iStock)

Em dois casos distintos, o Reino Unido negou asilo aos cristãos perseguidos citando de maneira estapafúrdia a Bíblia e Jesus. Ambos os cristãos, um homem e uma mulher, ex-muçulmanos que procuravam separadamente asilo oriundos da República Islâmica do Irã, considerado o 9º pior perseguidor de cristãos do planeta, em especial daqueles que eram muçulmanos e se converteram ao cristianismo.

Continue lendo o artigo

Igrejas Europeias: Profanações, Defecações, Incêndios "Todos os Dias"

por Raymond Ibrahim  •  15 de Abril de 2019

  • Na Alemanha quatro igrejas foram profanadas e/ou incendiadas somente em março. "Nesse país," explica a PI-News, "há uma guerra gradual e constante contra tudo o que simboliza o cristianismo: ataques a cruzes no alto das montanhas, a estátuas sagradas na beira das estradas, a igrejas... e ultimamente também a cemitérios".

  • Em praticamente todos os casos de ataques a igrejas, as autoridades e a mídia escondem a identidade dos vândalos. Nos raros casos em que a identidade vazada dos vândalos é muçulmana (ou "migrante"), os perpetradores são então apresentados como portadores de problemas mentais.

  • "Quase ninguém escreve ou fala sobre os crescentes ataques a símbolos cristãos. Há um silêncio eloquente tanto na França quanto na Alemanha em relação ao escândalo das profanações e à origem dos perpetradores. Nem uma palavra, nem mesmo o menor indício que de alguma maneira poderia levar à suspeita sobre os migrantes... Não são os perpetradores que correm o risco de serem malvistos e sim aqueles que ousam associar a profanação dos símbolos cristãos à chegada de imigrantes. Eles são acusados de ódio, discurso de incitamento ao ódio e racismo". — PI News, 24 de março de 2019.

Em fevereiro, vândalos profanaram e arrebentaram cruzes e estátuas na catedral de Saint-Alain em Lavaur, mutilaram de forma grotesca os braços de uma estátua do Cristo crucificado. Além disso, atearam fogo numa toalha de altar. (Imagem: Eutrope/Wikimedia Commons)

Inúmeras igrejas por toda a Europa Ocidental estão sendo profanadas, defecadas e incendiadas.

Em média, duas igrejas são profanadas todos os dias na França. Segundo o site de notícias alemão PI-News, 1.063 ataques a igrejas ou símbolos cristãos (crucifixos, figuras, estátuas) foram registrados na França em 2018. Isso representa um salto de 17% em relação ao ano anterior (2017), quando foram registrados 878 ataques, o que significa que esses ataques estão indo de mal a pior.

Entre algumas das recentes profanações que ocorreram na França, estão as seguintes, somente as de fevereiro e março:

Continue lendo o artigo

Catar: 'Um Lobo em Pele de Cordeiro'
Financiando o Islamismo na Europa

por Giulio Meotti  •  14 de Abril de 2019

  • "Estamos denunciando por anos a fio a infiltração religiosa e ideológica de Doha. Sob a forma de investimentos e operações financeiras, o Catar amplia sua rede proselitista todo santo dia, gerando consideráveis danos às sociedades europeias..." — Souad Sbai, de origem marroquina, presidente do Centro de Estudos Averróis da Itália.

  • O Catar vem financiando megamesquitas por toda a Europa. Ao que parece o objetivo do Catar é islamizar a diáspora europeia.

  • As emissoras do Catar de língua inglesa produzem uma astuta propaganda contra os inimigos do Catar, disfarçada de retórica liberal ocidental. O mais recente empreendimento da Al Jazeera, o canal de rede social AJ+, tem como alvo os americanos jovens e progressistas. Seus documentários sobre as perversidades de Israel, da Arábia Saudita e da Administração Trump ficam camufladas na brilhante cobertura de campanhas de direitos dos transgêneros e apelos emotivos no tocante ao sofrimento dos candidatos a asilo na fronteira dos Estados Unidos com o México, temas aparentemente sem pé nem cabeça, para uma emissora controlada por um regime wahhabista. O Catar é hoje o maior patrocinador estrangeiro de universidades americanas. — Daniel Pipes, presidente do Middle East Forum.

Segundo Souad Sbai (esquerda), de origem marroquina, presidente do Centro de Estudos Averróis da Itália, "o Catar amplia sua rede proselitista todo santo dia, gerando consideráveis danos às sociedades europeias, incluindo a da própria Itália". Daniel Pipes (direita) salienta que o Catar "trabalha abertamente no sentido de influenciar tanto os estrategistas políticos quanto o público no Ocidente... As emissoras de língua inglesa produzem uma astuta propaganda contra os inimigos do Catar, disfarçada de retórica liberal ocidental. O Catar é hoje o maior patrocinador estrangeiro das universidades americanas." (Imagem: Wikimedia Commons/Luke Ford [Pipes])

Em outubro, o ministro do interior da Itália, Matteo Salvini, visitou o Catar, o "gigante da energia", onde levantou a bola do emirado por "não patrocinar mais o extremismo". Lamentavelmente, a verdade é justamente o contrário. Catar "o outro estado wahhabista", ao que tudo indica, não está interessado somente nas relações econômicas com a Europa, mas também na exportação da sua versão do islamismo político.

Continue lendo o artigo

Superestado Han da China: O Novo Terceiro Reich

por Gordon G. Chang  •  9 de Abril de 2019

  • O presidente da China, Xi Jinping, exige que as cinco religiões reconhecidas, 'o reconhecimento oficial de uma religião se traduz num mecanismo de controle' façam parte da "chinalização". Os chineses, como parte dessa implacável e inexorável investida, estão destruindo mesquitas e igrejas, forçando os muçulmanos devotos a tomarem bebidas alcoólicas e comerem carne de porco, infiltrando funcionários Han para residirem em lares muçulmanos e jogarem uma pá de cal no ensino religioso para menores.

  • Nos últimos anos, tem havido muitas representações grotescas de africanos na mídia chinesa, embora se tenha notícia de achincalhações bem mais bizarras do que a do ano passado, esta foi impactante porque a principal emissora estatal, ao transmiti-la para cerca de 800 milhões de telespectadores, deixou claro o que as autoridades chinesas pensam sobre os africanos tanto como motivo de escárnio quanto como subumanos.

  • Campos de concentração, racismo, eugenia, ambições de dominação mundial. Já vimos esse filme, não?

  • Há um novo Terceiro Reich: a China.

Mais de um milhão de pessoas, sem nenhum motivo a não ser etnia ou religião, estão confinadas em campos de concentração no que Pequim chama de Região Autônoma Uigur de Xinjiang. Foto: confronto entre policiais chineses e mulheres da etnia uigure durante um protesto em Urumqi, capital de Xinjiang, em 7 de julho de 2009. (Foto: Guang Niu/Getty Images)

Mais de um milhão de pessoas, sem nenhum motivo a não ser etnia ou religião, estão confinadas em campos de concentração no que Pequim chama de Região Autônoma Uigur de Xinjiang, território que os tradicionais habitantes da região, os uigures, dizem ser o Turquestão Oriental. Além dos uigures, os cazaques étnicos também estão confinados naqueles campos.

As famílias dessa região conturbada, mostradas em mapas como área a noroeste da República Popular da China, estão sendo separadas. Os filhos de pais uigures e cazaques presos ficam "confinados" em "escolas", excluídos do mundo do outro lado por arame farpado e tropas de choque fortemente armadas. A eles é negado ensino em sua própria língua além de serem forçados a aprender o mandarim. Essa camisa de força faz parte de uma política assim chamada de "hanificação", ou seja: programa de assimilação forçada. "Han" é o nome do maior grupo étnico da China.

Continue lendo o artigo

Crimes do Ocidente Contra as Minorias Perseguidas no Oriente Médio

por Judith Bergman  •  8 de Abril de 2019

  • A única coisa que se ouve recorrentemente é o direito dos terroristas do ISIS retornarem pelo fato deles estarem de posse da cidadania ocidental. As verdadeiras vítimas, um mar de gente que os terroristas do Estado Islâmico, só por diversão, voluntariamente se ofereceram para estuprar, torturar, decapitar, afogar, queimar vivo, crucificar e balear até a vítima morrer. No entanto, o horror que essas vítimas: yazidis, cristãos, drusos e o "tipo errado" de muçulmano é escassamente mencionado nos debates públicos acerca do retorno dos combatentes do Estado Islâmico.

  • O problema é que esses mesmos representantes do establishment político não mostraram nem de longe consideração como aquela, se é que houve alguma, pelas vítimas dos terroristas do Estado Islâmico; parece que elas foram totalmente esquecidas.

  • Em todo o mundo ocidental, as classes política e da mídia montam o espetáculo fingindo todo santo dia que se preocupam com os direitos humanos, ao mesmo tempo em que abandonam as minorias perseguidas, entre elas inúmeras muçulmanas. Já passou muito da hora de todos começarem a dar nome aos bois e exporem essa postura de narcisismo moral, que não passa disso, e exigir de seus políticos e da mídia do establishment, que aparentemente não se cansam de proclamar seu compromisso com os direitos humanos, a começarem a ajudar algumas das incontáveis vítimas que esperam por ajuda.

Nadia Murad, ativista yazidi dos direitos humanos, ganhadora do Prêmio Nobel da Paz, uma das milhares de mulheres yazidis feitas prisioneiras pelo ISIS e mantida como escrava até ela ter dado um jeito de escapar, escreveu recentemente: "meu maior temor é que se o mundo continuar indiferente, minha comunidade, a comunidade yazidi, deixará de existir". (Foto: Erik Valestrand/Getty Images)

O debate na Europa Ocidental sobre os direitos de retorno dos terroristas do Estado Islâmico (ISIS) reflete um sentimento inquietante: parece haver uma tremenda preocupação com o bem-estar daqueles que resolveram deixar os países em que nasceram ou países que os acolheram e jurar lealdade ao ISIS, cujos seguidores perpetraram alguns dos crimes mais hediondos que se tem notícia, cometidos neste ou em qualquer outro século.

Agora que as forças apoiadas pelos EUA na Síria tomaram a cidade síria de Baghuz, última fortaleza do ISIS naquele país e o fato do ISIS, tanto no Iraque quanto na Síria ter sido derrotado, os terroristas do grupo juntamente com suas noivas, ao que tudo indica, já estão com saudades do Ocidente.

Continue lendo o artigo

Milhares de Mulheres Muçulmanas Estupradas, Torturadas e Mortas nas Prisões da Síria
Onde estão a Mídia, a ONU e os Grupos que Defendem os 'Direitos Humanos'?

por Bassam Tawil  •  6 de Abril de 2019

  • O tormento das palestinas na Síria é uma questão que parece não incomodar os líderes palestinos na Cisjordânia e na Faixa de Gaza. Esses líderes estão ocupados demais lutando e incitando a violência uns contra os outros, contra Israel e contra os Estados Unidos. Eles esqueceram completamente o sofrimento de seu povo num país árabe como a Síria.

  • As mulheres que estão sendo estupradas e torturadas com requintes de crueldade nas prisões sírias, são vítimas de líderes palestinos fracassados que, ao que tudo indica, se preocupam apenas e tão somente em manter suas contas bancárias e seus empregos.

  • Nenhuma autoridade da Fatah nem do Hamas nem dos assim chamados "grupos de direitos humanos" do Ocidente nem das Nações Unidas se manifestou no tocante à situação das palestinas na Síria. E por que deveriam, se tudo o que fazem na maior parte do tempo é jogar sujo, dar golpes baixos uns nos outros e ao mesmo tempo incitar o povo contra Israel e os EUA?

As mulheres que estão sendo estupradas e torturadas com requintes de crueldade nas prisões sírias, são vítimas de líderes palestinos fracassados que, ao que tudo indica, se preocupam apenas e tão somente em manter suas contas bancárias e seus empregos. (Imagem: iStock. Imagem somente para efeitos ilustrativos, não representa a personagem do artigo.)

Para as palestinas que se encontram na Síria, não havia motivo para celebrar o Dia Internacional da Mulher, data comemorada ao redor do mundo no início do corrente mês (março de 2019). Enquanto em muitos países as mulheres comemoravam, um levantamento publicado pelo Grupo de Ação em Favor dos Palestinos da Síria, uma organização de direitos humanos, revelou que 107 palestinas estavam encarceradas em condições subumanas nas prisões sírias.

Continue lendo o artigo

Trump Está Certo em Relação às Colinas de Golã

por Alan M. Dershowitz  •  4 de Abril de 2019

  • Nenhum país ao longo da história jamais devolveu território a um inimigo que o jurou de morte, território militarmente essencial que um dia tivesse sido capturado em uma guerra defensiva.

  • Conforme o esperado, a União Europeia se opôs ao reconhecimento pelos EUA da anexação. No entanto ela não apresentou nenhum argumento convincente, fora a sua exigência habitual de que o status quo não seja alterado.

  • Algum país europeu já entregou alguma colina capturada em uma guerra defensiva a um inimigo que o jurou de morte? É bom lembrar que no final da primeira e segunda guerras mundiais os países europeus fizeram ajustes territoriais para ajudar a preservar a paz. Por que razão então a União Europeia quer sujeitar Israel a um padrão moral de dois pesos e duas medidas que jamais exigiu de si mesma? A resposta é clara: a União Europeia sempre agiu de maneira hipócrita quando se trata de Israel e agora não é diferente.

As Colinas de Golã. O controle de Israel sobre a região tem sido o status quo por mais de meio século e sua necessidade legítima por esse controle só aumenta com passar do tempo. (Foto: Wikipedia)

Ninguém que tem a cabeça no lugar iria sugerir aos israelenses que dessem de mão beijada as Colinas de Golã a Assad, o genocida sírio. Seria suicídio entregar o topo das colinas com vista avantajada das cidades e aldeias israelenses a um maluco que faria uso delas para atacar civis israelenses com bombas de barris recheadas com elementos químicos, como Assad já havia feito com os cidadãos de seu próprio país. Nenhum país jamais devolveu um encouraçado capturado numa guerra defensiva a um inimigo que o jurou de morte. Além disso, as Colinas de Golã representam um enorme navio de guerra que seria usado para atacar Israel.

Continue lendo o artigo